domingo, 4 de dezembro de 2016

TORTA ALEMÃ

Muitos dos meus pensamentos surgem enquanto cozinho ou lavo louça, tenho uma ligação singular com a cozinha, e concordo completamente com a máxima de que cozinhamos com os sentimentos, em alguns momentos o alimento vem repleto de lembranças, em outros de esperança.

Hoje minha empreitada culinária veio repleta de lembranças, saudade, arrependimentos, e uma alegria triste.
Após um ano sonhando com torta alemã, e algumas tortas compradas e sem saciar minha vontade, finalmente resolvi que deveria fazer uma torta, enquanto separava os ingredientes, a forma, batedeira...comecei a recordar da última vez que fiz essa torta, e percebi que faz mais de uma década, e voltei 11 anos, 6 meses e oito dias no tempo.

Data 26/05/2015, quinta-feira, feriado de Corpus Christi, uma linda jovem de 17 anos convida algumas colegas para fazer um trabalho e uma torta alemã, eis que seu jovem futuro namorado liga querendo leva-la ao shopping. Após explicar sobre o trabalho a jovem sente que foi meio fria com o jovem e emenda perguntando ao jovem se gostaria de ajuda-la com o trabalho, prontamente o jovem aceita e em menos de meia hora estão juntos. A jovem sem saber como lidar corretamente com a situação, pois é a primeira vez que convida um rolo amoroso a sua casa, timidamente o apresenta a sua mãe e sai com o jovem para comprar os ingredientes para a torta. Horas depois, após fazer a torta, trabalho, filme e comer a torta as colegas vão embora e fica o jovem, que a convida para ir a Campos do Jordão com seus pais, a bela jovem não pretendia ir, pois passaram o dia juntos, o status do casal não está definido e a jovem não faz ideia do que sente ou deseja...
Por uma jogada do destino, minutos depois a bela jovem está a caminho de Campos do Jordão com o jovem e seus pais, tendo passado pela casa de alguns tios e sido apresentada como namorada, ou seja a pobre coitada está mais confusa, envergonhada, tímida, deslocada do que nunca. Eis que chegando em Campos do Jordão resolve em um momento de bravura definir a situação e questiona o jovem sobre ter sido apresentada como namorada e o jovem diz que isso era coisa de sua mãe, a bela jovem tem um segundo para sentir alivio e tristeza até o jovem emendar sua fala com: "se bem que gostaria que fosse", pega de surpresa a bela jovem não sabe o que responder, há uma semana não fazia ideia que esse jovem gostasse dela, aliais mal sabia que ele conhecia sua existência, e responde: "Tá!".
Agora era a namorada de alguém, seu primeiro namorado, que chegou em um momento de confusão, em que a jovem estava cheia de dúvidas sobre o futuro, repleta de medo de fazer as escolhas erradas, sentindo-se deslocada e perseguida na escola, um momento em que ela era tudo, menos ela mesma.
Seis meses depois aproximava-se o natal como agora, a bela jovem e sua mãe resolveram enfeitar a casa e uma árvore de natal, infelizmente a bela jovem fica enciumada, pois sua mãe resolveu realizar os enfeites em torno do jovem que não havia enfeitado uma árvore de natal, e acaba destruindo o momento, sendo mandona e rude com o jovem, sem permitir que este aproveitasse o momento de enfeitar a árvore, mesmo os enfeites tendo sido comprados em sua homenagem.

Um pouco menos jovem, ela se depara na cozinha de seu apartamento, sozinha, fazendo uma torta alemã e no intervalo uma guirlanda, relembrando cada um desses momentos, e muitos outros que passou com aquele jovem durante seu breve namoro e percebe com saudade, alegria e tristeza o quão imatura era, quantas coisas faria diferente, e o quanto aquele jovem foi especial, quantas marcas e lições ele foi capaz de deixar em apenas oito meses, o quanto dele ela, ainda, carrega em si, confirmando que é impossível esquecer o primeiro namorado, e nesse caso seu primeiro amor.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

TEMPO, TEMPO, TEMPO, TEMPO.

Hoje no final da noite início da madrugada, ouvindo música enquanto lia e pesquisava algumas coisas sobre o trabalho, acabei por mudar o rumo que havia destinado para a noite.
Música transforma meu ânimo, revitalizada e animada com as músicas passei a vagar em meus pensamentos e sentimentos...

Primeiro o esperado regresso ao passado, passando pela alegria e plenitude do presente, e caminhando para o futuro incerto, inseguro e ansiosamente aguardado...
Foi uma experiência nova realizar essa introspecção em um momento de alegria, em que me sinto sozinha, mas completa!!Assim relembrei os momentos e decisões de uma forma positiva sem aquele peso que normalmente os acompanha, vivenciei o presente confiante de que este é o meu melhor momento, de que sou capaz de realizar tantas coisas quanto desejar, que tenho a perseverança necessária para não desistir, superar e vencer qualquer obstáculo, e finalmente vislumbrei o futuro sem desejá-lo, satisfeita em ter que aguardá-lo, esperançosa e paciente...

Repensei minha forma de me relacionar com o inesperado, com o novo e desconhecido, mas principalmente minha forma de me relacionar com os outros: amigos, paqueras, ex-amigos, namorados, família, colegas, conhecidos, desconhecidos e percebi o quanto minhas ações causam afastamentos, e criam cânions entre mim e os outros.

Desejando mudanças, mas relutante em ceder. Eis que a playlist toca Caetano Veloso - Oração ao Tempo, então novamente minha mente vaga e meu coração aguarda na certeza de que o meu tempo, o meu querer, o meu orgulho, o meu medo, a minha dúvida o que quer que seja.....NÃO significam nada. 

Apenas o tempo de DEUS tem razão, e força para te empurrar do ninho na hora de voar, ou te prender em baixo das asas quando houver perigo, te alimentar enquanto estiver ferido e te deixar livre quando houver crescido...moldando e compondo seu caminho!!!

Meta de 2015 deixar-me guiar pela intuição, deixar a vida fluir, abandonar um pouco a razão. Não totalmente claro, mas apenas o suficiente, deixando de lado dúvidas que muitas vezes paralisam, medos que são construídos e alimentados dentro de meus pensamentos, e a ansiedade infinita do que esta por vir, o arrependimento sufocante do que passou, e a raiva constante de perder o que está acontecendo bem a minha frente....Deixar o tempo cicatrizar as feridas, ensinar as lições, fortalecer ou enfraquecer o que for necessário.

sábado, 20 de dezembro de 2014

A VIDA É UMA ETERNA MUDANÇA

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficados, para sempre, à margem de nós mesmos." Fernando Teixeira de Andrade
Encontrei esta citação em dezembro de 2013, estava me formando na faculdade de direito, saindo do estágio e pensava que as mudanças profissionais seriam impactantes em 2014. Hoje 20 de dezembro de 2014, percebo que as mudanças de 2014 seriam muito mais profundas, significativas e gigantescamente assustadoras...Na verdade os últimos 34 dias foram uma verdadeira montanha russa, uma mudança que tirou meus pés do chão imposta sem o menor aviso, sem qualquer planejamento, sem qualquer preparo...
Agora que a poeira começa a assentar, percebo o quanto as mudanças eram necessárias, o quanto secretamente as desejava, e o quanto estava e, ainda, estou despreparada. 
Fui expulsa do ninho, assim como um jovem passarinho sou obrigada a aprender a voar sozinha. Embora confie em minha capacidade administrativa, lógica que permitirão que supere as questões praticas. Infelizmente minhas capacidades emocionais são absolutamente falhas, o silêncio, tranquilidade e liberdade que sempre desejei passou a ser meu pior temor, o que buscava incansavelmente sempre que possível virou regra e tornou-se amargo e assustador.
A mudança de casa, de rotina, de estrutura, de trabalho, de obrigações... Tornou claro que é indispensável a mudança de coração, de emoção, de interior. As mudanças derrubaram minhas certezas e comprovaram minhas dúvidas, estou completamente desconstruída e perdida...
Mas em meio a tantas mudanças a tantas novidade, poucas coisas permaneceram e tornaram-se, ainda, mais valiosas...
Comprovei que a Amizade nos fortalece, orienta e completa, que os amigos são pequenos anjos que você descobre pela vida, que se tornam sua família e permanecem ao seu lado durante as tormentas, seguram suas mãos, enxugam suas lagrimas e abrem seus olhos, apontam seus defeitos mas apesar deles não te abandonam, criticam suas escolhas sem julga-las, e te confortam quando necessário. 
Infelizmente sou péssima para fazer amigos, tenho muito, muito poucos... Mas são os melhores do mundo, e são mesmo....
Nos últimos 34 dias, esses amigos realmente se tornaram minha família, meus anjos, minha tábua de salvação e farol que me impediram de naufragar nas águas tortuosas da incerteza, do medo e rancor. 

sábado, 25 de outubro de 2014

POLÍTICA E ELEIÇÕES

Nasci em 1988 juntamente com nossa atual Constituição Federal, pouco mais de um ano antes das primeiras eleições diretas. Estava com quatro anos quando do processo de Impeachment do primeiro Presidente Eleito, após anos de Ditadura Militar, e recordo que nesse ano minha brincadeira favorita era pintar o rosto de verde-amarelo e cantarolar a cantiga de roda "Eu sou pobre de marré". Recordo-me de frequentar supermercados e padarias com meus familiares, recordo-me que sabia diferenciar valores e realizar conta do troco, especialmente porque desejava comprar chocolate, ou balas com o troco. Vivenciei o inicio do plano real em 1994 (aos seis anos), recordo-me da sensação de tudo transformado, recordo-me, também, que nesse momento meus chocolates ficaram mais raros, meus familiares passaram a reclamar do valor das coisas, e da falta de dinheiro no meio do mês. 
Anos se passaram, e agora o ano é 1998, minha primeira viagem a Brasília juntamente com a FENASPS, deve estar se perguntando o que uma menina de dez anos faz engajada com Federações Nacionais de Sindicatos, a resposta é simples era acompanhante de minha mãe, então funcionária pública do INSS, reivindicações planos de cargos e carreiras, parida e aumento salarial. Durante os anos de governo do PSDB esse setor do funcionalismo público não teve aumento de salários, sofreu corte de benefícios e qualidade das condições gerais de trabalho, acredito que os demais setores também, mas nesse tenho certeza pois participei da maioria das greves, passeatas e manifestações. 
Ano de 2001, assumo a posição de empreendedora, aos 13 anos, decido vender "geladinho", durante as férias de final de ano, visto que não tive gastos (pagos pela minha mãe), obtive um grande lucro, descido investi-lo na poupança, ocorre que o único banco que aceitou meu investimento foi a Caixa Econômica Federal, que exigia o menor valor, R$100,00 (cem reias), quase meio salário mínimo. 
No ano seguinte 2002, ano de eleições e mudanças, muitas mudanças a oposição assume o governo, o funcionalismo público passa a ter aumento dos salários, são realizados planos de cargos e carreiras, e com isso novos concursos de ingresso nas carreiras públicas. Confesso que não sei afirmar se criação ou apenas divulgação e ampliação de planos sociais como bolsas família. Esse momento político se repete até 2005 momento em que iniciam-se os escândalos políticos,e nesse momento passo a ter força como uma verdadeira cidadã com direito ao voto, e termino o ensino médio, ocorre a reeleição. Os escândalos perdem a força, continua-se a implementação e ampliação de novas políticas sociais, e agora sou uma jovem universitária cursando Licenciatura em Letras, algo que seria perto do impossível durante os anos do governo PSDB, visto que os salários de meus familiares estavam congelados, mas o dos produtos não! Economistas costumam chamar isso de inflação, ou estou enganada? Realizo meu curso de três anos, e decido não exercer a profissão, mas sim buscar meu antigo sonho de cursar direito, e em 2009 inicio meu curso, novamente algo impossível antes, visto os gastos envolvidos.
Ano de 2010, os escândalos retornam com força total, juntamente com inúmeros novas notícias desabonadoras ao PT, ainda assim o partido permanece na situação, políticas sociais são realizadas, sobrevivemos a uma crise mundial (sim houve, e há crise econômica mundial), o poder econômico de muitos aumentou, nunca vimos tantos carros próprios como atualmente (o que eu odeio, mas enfim é progresso), nunca houve tantas pessoas matriculadas em cursos superiores e de tecnologia, ou mesmo realizando viagens ao exterior, seja como turistas, intercambistas,  bolsistas etc.
Ano de 2014, novamente as eleições batem a porta e os escândalos se intensificam, fortificam, e são amplamente divulgados, nos três principais canais de informação. Que para mim, são tendenciosos, agora se além de tendenciosos  são maliciosos não posso afirmar. Embora o ideal fosse um jornalismo isento, para mim é utopia demais!!!

Essa é a minha história política, esse é o Brasil que vivenciei, interagi, e integrei durante a minha vida, não nego os escândalos políticos, especialmente porque como Advogada acredito na justiça, e houve julgamento e condenações, e também como Advogada acredito na inocência até sentença transitada em julgado, sendo assim muitas das acusações levantadas em período eleitoral não podem ser levadas em consideração (ambos os lados).
 Acredito que o poder vicia e corrompe, acredito que deve haver alteração de poder, acredito que existem erros no governo atual, assim como houve nos passados, e haverá nos futuros. E acredito que atualmente quem governa não é o presidente eleito, enquanto pessoa (com suas falhas e qualidades), mas sim seu grupo de governo, formado pelos seus Ministros indicados, Assessores nomeados, pelo seu Partido e também pelos demais membros do governo Eleito (Senadores, Deputados Federais e Estaduais, Governadores, Prefeitos e Vereadores), acredito que um governo é tão forte quanto suas parcerias políticas, um governo tem tanta influência quanto sua aceitação entre os demais Eleitos, e tem tanta harmonia quanto seus egos.
Acredito que a mudança, não está em escolher o partido X, Y ou Z, mas em mostrar a todos os membros que compõem o governo que desejamos harmonia de ideias e políticas, o famoso "manter o que deu certo e mudar o que deu errado" de tantos candidatos, a humildade de aceitar que todos os partidos ou políticos possuem falhas e defeitos, assim como qualidades, e que a soma das qualidades que gera a mudança e um Brasil melhor, para TODOS. Sim todos os partidos buscam um grupo específico, o que acho até natural, mas qual grupo precisa e dever ser valorizado HOJE, nesse momento. Durante os anos do PSDB a política era voltada para classes com uma segurança e estabilidade financeira maior, o governo do PT buscou a igualdade social, esquecendo-se das classes já estáveis e de maior poder aquisitivo (não concordo 100% com isso, mas realmente foi menor o número de políticas que tiveram peso para essas classes). 
Contudo, um governo ou partido não é tão ruim quanto pintado pelo seu adversário, ou tão bom quanto ilustrado pelo candidato, o que o Brasil precisa é de BRASILEIROS que deixe de ser tão crédulo, ou tão ingênuo, que pare de se preocupar com política apenas nos anos de eleição (inclusive eu), que acompanhe, que busque mudanças, que desenvolva ideias, que cobre, e também reconheça, elogie e abrace o que funciona. BRASILEIROS que parem de acreditar e desejar políticas milagrosas que solucionam os problemas com apenas uma lei, decreto ou projeto. O BRASIL e o MUNDO são construídos com uma sequência de ações de curto, médio e longo prazo. (Quem não conhece a máxima que o bater de assas de uma borboleta hoje e capaz de gerar um furacão no outro lado do mundo em semanas, meses, anos)

Eu sonho e desejo uma política limpa em que não existam ataques contra candidatos, ou partidos, que não sejam destacadas as falhas, e os defeitos do adversário, que os eleitores não sejam ingênuos ou crédulos, que a mídia não tenha favoritos, de preferência que não publique informações sobre os candidatos durante os meses de campanha. Mas que seja uma política focada em reconhecer e exaltar as qualidades, as ideias, os acertos, e os eleitores sejam afiados, detalhistas, focados, exigentes, e acima de tudo lógicos.

Ficarei absurdamente feliz com o fim das eleições e os ataques entre os candidatos e entre seus eleitores nas mídias sociais, acredito e defendo a liberdade de expressão, mas acredito no que minha linda bisavó indígena dizia "Se não tem nada de bom para falar, permaneça calado". Se sua história de vida, sua memória, suas convicções te fizeram escolher o candidato X, respeite, aceite e entenda que a história de vida, memória e convicções de outros o levaram a conclusões diferentes...

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

QUASE SEM QUERER - Legião Urbana


O ano era 2005, março para ser exata. Eu uma jovem de dezesseis anos, quase dezessete, último ano do Ensino Médio, um milhão de decisões há serem tomadas, excluída do grupo escolar, ao menos de um dos períodos escolares, visto que havia tomado a "brilhante" decisão de estudar três períodos. Sentindo-me esgotada física, psicologica e emocionalmente, sentindo o peso de todas as escolhas imprudentes, impensadas e inconsequentes já tomadas e temendo profundamente repeti-las (o que acabei por fazer).
Contudo em meio a este turbilhão de coisas, tenho algumas horas de tranquilidade, alcançadas devido a mais decisões erradas (havia faltado nas aulas da manhã - Ensino Médio), enquanto preparava o almoço, já quase me atrasando para as aulas da tarde (SENAI), ouço essa música - QUASE SEM QUERER.
Vivenciei um daqueles momentos raros de catarse, ou a versão de alguém de dezesseis anos. Identificação com uma música que te leva as lágrimas, depois a uma felicidade ilógica e finalmente a perplexidade. Não podia acreditar o quanto Renato Russo poderia me conhecer e me descrever, todos os sentimentos conflitantes de insegurança e segurança, que beiravam a arrogância. "Quando o que eu mais queria...era provar pra todo mundo...que eu não precisava... provar nada pra ninguém".
Infelizmente momentos depois de ouvir a música, pesquisar a música na internet, ouvi-la repetidas vezes, fiz o esperado...especialmente pelo autor da música "fiz questão de esquecer...que mentir pra si mesmo...é sempre a pior mentira" e recomecei a tentar me convencer de que as minhas más escolhas nada tinham haver com meus problemas, mas que o mundo era mau, assim como as pessoas eram más e injustas...
Dois meses depois, após o ápice dos problemas, cumulado com um toque de inferno astral...Fui convencida de que estava certa e o mundo era mau, assim como as pessoas eram más e injustas, então encontrei uma "válvula de escape" de todos estes problemas e embora continuasse a repetir meus erros, e a cometer muitos erros novos (inúmeros erros novos), sentia que "agora é diferente...estou tão tranquilo...e tão contente".

Hoje nove anos depois, percebo que pouco, ou quase nada mudei. Ainda, sinto que desperdicei muito, muito, muito tempo tentando provar para todo mundo, que não preciso provar nada para ninguém, tentando me convencer de coisas, que são mentiras, tentando sair da minha confusão habitual. Sobretudo esse ano, ano de transformações, grandes transformações na minha vida, ano de escolhas que definirão boa parte do meu futuro, novamente me sinto ameaçada e amedrontada não pelas novas escolhas, mas pelas escolhas passadas...Percebo, ainda, que dei crédito a "válvula" errada. Passei os últimos dez meses temendo este ano, temendo a mim mesma, e revivendo emoções tão, tão pesadas, e duvidando profundamente se seria capaz de transpor todas elas sozinha, sem minha "válvula" e hoje, ouvi novamente essa música, relembrei tudo isso, decidi escrever e percebi que há dez anos assumi um compromisso com alguém perfeito, que todos os dias repete "eu vejo o mesmo que você" e acrescenta "eu vejo além do que você vê, eu quero ser sua válvula e sua bússola". Passei o ano desejando e pedindo a mesma "válvula" que recebi há nove anos, desejando algo que pensei ter perdido, que substituí e perdi o substituto, quando na verdade nunca precisei substituir, desejar ou pedir...porque nunca perdi, apenas não havia reconhecido o que verdadeiramente havia me dado forças, quem estava ao meu lado, quem me colocou na direção certa e mesmo eu me desviando, voltou comigo pelo caminho errado até encontrar o desvio certo...

Deus, desculpe-me por demorar a reconhecer seu toque suave, e muito obrigada por ser paciente, constante, e bondoso...

segunda-feira, 5 de maio de 2014

HAPPY BIRTHDAY OR NOT

Hoje 04 de Maio de 2014, estou completando 26 anos! Quando tinha cerca de sete oito anos, passei a dizer que quando crescesse seria Advogada, muitas coisas aconteceram, fui convencida pela minha mãe que não serviria para esta profissão, busquei outras coisas, fiz uma faculdade de Letras, e entrei para a faculdade de Direito, cinco longos anos se passaram, prestei a OAB passei de primeira, contrariando as probabilidades terminei o TCC, estou formada, fiz inscrição na OAB e no dia 14 de fevereiro de 2014, realizei o meu sonhos, sou advogada!! 
Esse ano de 2014 deveria ser um ano muito, mas muito feliz, no entanto foram os piores quatro meses e quatro dias que posso me lembrar, realizei um sonho, mas esqueci de sonhar outros, ou pelo menos de planejar como alcançar alguns...Foram quatro meses de total dúvida, medo, anseios, desejos, e frustrações. Durante a faculdade resolvi que seria Juíza e não advogada, muito influenciada pelos meus pais, e por um Juiz que conheci em meu estágio, que passei a admirar enormemente, no entanto preciso de três anos de prática, entre a formatura e a posse no cargo, então o que farei nesses três anos??? Montar um escritório, prestar concurso, trabalhar em uma empresa, trabalhar no escritório de alguém...bom a dúvida me paralisa e nada faço, a cada dia sinto mais dúvida, junto com a culpa e aqui estou sem sair de casa há uma semana, e sem sair do meu quarto há dois dias, é meu aniversário e só consigo pensar no fracasso que eu sou, especialmente quando olho meus amigos casados, com filhos, empregados (normalmente não no emprego dos sonhos), mas realizados de alguma forma, nenhuma área da minha vida está bem sucedida, a com maior avanço é a profissional e olha a bagunça...
O melhor disso é que troquei apenas algumas palavras com minha mãe durante o dia, e ela apenas uma NÃO, com um tom de insatisfação, critica e rancor...Passei o dia querendo que ela batesse no meu quarto desejasse feliz aniversário e me desse um abraço, mas não aconteceu...Mas quando me levantei fui a missa e ela me viu conversando com um amigo, ficou magoada. Realmente minha habilidade de relacionamento interpessoal e assustadoramente peculiar!!!
Todos os anos começo a contar os dias para meu aniversário, ainda, em fevereiro, esse ano desejei que nunca chegasse, queria ter realizado tantas coisas, queria ser uma pessoa tão diferente, esperava muito mais de mim...e esse dia só deixa evidente tudo que não fiz. Claro que tudo isso está agravado pela minha semi-depressão, que tento esconder, e como sempre resolver sozinha, mas dessa vez não vai ser possível...vou usar esse post, esse blog como psicólogo e torcer para que expressar tudo isso dentro de mim seja suficiente para me esvaziar e pensar com clareza...
Segundo dizem nossa vida é cíclica, e se repete a cada doze anos, então este ano deveria ser similar há 2002, nesse ano estava concluindo o Ensino Fundamental, e também estava completamente maluca com o futuro, acabei não decidindo nada, e me arrependendo disso. Jogava basquete e nosso time venceu o campeonato da Liga do Vale do Paraíba e Litoral Norte e fomos para Franca tentar o Estadual, realmente sentia muito prazer em jogar. Assim como agora, estava descobrindo quem eu era e quem gostaria de ser...Similaridades, assim como agora muitas amigas estavam namorando ou apaixonadas enquanto eu acreditava estar apaixonada, só para fazer parte da turma. 
Realmente espero que essa não seja toda a verdade, que essas similaridades sejam uma mente cansada e infeliz buscando sentido, mas que assim como em MATRIX nossas escolhas sejam suficientes para transformar o futuro. Eu escolhi há onze anos que Deus estaria no comando de minha vida, infelizmente costumo esquecer disso as vezes, e tento resolver tudo sozinha e só faço bagunça...mas estar formada em Direito, ter passado na OAB e realizado um sonho, deveria ter me acalmado e não me deixado em pânico, pois é prova de que Deus está no comando, afinal tantos outros destinos poderiam ter acontecido, fiz tantas escolhas confusas que poderia ter me deixado em muitos outros locais... Oficialmente há 35 minutos deixou de ser meu aniversário e sinto um pouco de clareza, tranquilidade e esperança surgindo em mim!!!

sexta-feira, 7 de março de 2014

PODER DE UMA RECEITA

Os últimos dias foram muito nostálgicos, e sem dúvida nostalgia combina perfeitamente com cozinha. Minha família como muitas outras é peculiar e confusa, em razão disto não temos muitos costumes ou tradições, contudo minhas melhores lembranças estão ligadas a cozinha, sempre foi um lugar que despertava a harmonia em meio ao caos. 
Bolinho de Chuva da Família
Uma da poucas tradições da família é o "Bolinho de Chuva", recordo-me que quando pequena minha avó fazia nos dias mais chuvosos e escuros, e comíamos com café preto. Quando minha avó faleceu perdemos a receita por alguns anos, mas finalmente conseguimos encontra-la, e voltamos a ter nossa pequena tradição. 

Realmente considero uma tradição, algo peculiar em nossa família já que a receita não é tradicional, nossos bolinhos levam farinha de milho e possuem uma consistência diferente (engraçado como quando crianças imaginamos nossa casa como o centro do mundo, levei anos para entender porque o "Bolinho de Chuva" dos outros era diferente).


Sempre que faço a receita lembro de muitas histórias hoje foram três em especial. 
Primeira: quando a Ivani, uma amiga da minha mãe, que tornou-se uma tia postiça, experimentou pela primeira vez: Lembro-me que como a maioria das pessoas não levou muita fé, quando fui para a cozinha (amo cozinhar, mas sempre desconfiam), desconfiou, ainda mais, quando viu os ingredientes e a consistência, rendendo-se ao prová-los. Engraçado que se me contassem quando tinha cinco, seis anos que sentiria falta da Ivani, definitivamente não acreditaria, mas a verdade é que sinto...C'est la vie.
Segunda: há dois anos fazia estágio na Vara do Trabalho, um lugar mágico, não sabia na época, mas foi o lugar que mais me cativou, um belo dia após uma chuva forte ficamos sem energia, eis que o Juiz fala "que vontade de comer bolinho de chuva", não sei bem como, mas acabei fazendo os bolinhos, e modificando a receita para sempre, já que lembrava dos ingredientes, mas não das proporções, e ainda sempre fizemos em formato de rosca, mas o mesmo Juiz, sugeriu fazer bolinhas, e desde então só faço bolinhas e sempre me lembro desse dia. Incrível como algumas pessoas são tão marcantes, deixam uma impressão tão duradoura, transformam um pouco de você.
Terceira: uma das últimas conversas, se podemos chamar a troca de mensagens de conversa, com uma pessoa muito amada, um dos três amores da minha vida até agora. Uma conversa cheia de sarcasmos, pois estava magoada, que pode ter sido decisiva para nosso afastamento, ou talvez esse afastamento fosse inevitável. Algumas vezes quando faço algo na cozinha lembro-me desta pessoa, que sempre foi um cético quanto aos meus dotes culinários, e que faz uma grande falta, especialmente em grandes momentos, por alguns anos foi meu guia, psicólogo, confidente, minha pequena bússola moral.
Esse é um ponto que sempre vou amar na cozinha, o "Poder das Receitas", que transporta o cozinheiro, e também quem prova ao passado, resgatar suas lembranças e emoções, transformar um pequeno momento que seja, em algo extraordinário...